Itaparica na Historia do 2 de Julho – Independência da Bahia

Olá Pessoal!

Muitas são as versões “oficiais” sobre nossa historia de povo brasileiro porem poucas são aquelas que retratam a figura de mulheres de origem humilde e negra como o caso de Maria Felipa Oliveira, Itaparicana que atuou bravamente nas batalhas da Independência da Bahia e consequentemente a independência definitiva do Brasil.

Nossa postagem hoje trás uma humilde homenagem à esta guerreira da Ilha de Itaparica que cravou seu nome na historia – Maria Felipa Presente!

mfelipa
Retrato de Maria Felipa. Desenho da artista plástica Filomena Orge, com base em relatos históricos, pesquisa e fotos de descendentes vivos da heroína negra. A imagem foi feita em 2005 e não retrata com 100% de certeza o rosto de Felipa, mas faz uma projeção de como ela seria.

A “Heroína Negra da Independência”, é assim que Maria Felipa de Oliveira é conhecida pela população da Ilha de Itaparica, mas quem é essa figura sobre a qual pouco ou quase nada se conhecia?

Sua história ficou preservada na memória da população insular. Segundo os relatos, Maria Felipa viveu na Ponta das Baleias, no Convento, casarão que tinha esse nome “porque abrigava […] os que só tinham de seu o sol e a lua”. É descrita como uma negra alta e forte, que vestia saias rodadas, bata, torso e chinelas.

Liderando um grupo de mulheres e homens de diferentes classes e etnias, fortificou as praias com a construção de trincheiras, organizou o envio de mantimentos para o Recôncavo e as chamadas “vedetas” que eram vigias nas praias, feitas dia e noite, a fim de prevenir o desembarque de tropas inimigas além de participar ativamente de vários conflitos.

Cansanção, assim como a urtiga, causa a sensação de queimadura ao toque com a pele.

Durante as batalhas, seu grupo ajudou a incendiar inúmeras embarcações: a Canhoneira Dez de Fevereiro, em 1º de outubro de 1822, na praia de Manguinhos; a Barca Constituição, em 12 de outubro de 1822, na Praia do Convento; em 7 de janeiro de 1823, liderou aproximadamente 40 mulheres na defesa das praias de Itaparica. Armadas com peixeiras e galhos de cansanção surravam os portugueses para depois atear fogo aos barcos usando tochas feitas de palha de coco e chumbo.

(Maria Felipa retratada por Filomena Orge com base em relatos orais)

Ainda hoje muitas Marias Felipas lutam dignamente por uma sociedade justa e de paz, mesmo em um mundo de predominante intolerância, misoginia, racismo e sexismo, precisamos a cada dia como a “Heroína Negra da Independência” não se curvar e lutar por um mundo melhor para todos e todas.

Até breve!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s